Sobre a L-asparaginase e o que a Globo nunca irá te contar

Fui marcado numa postagem no grupo A Cura do Cancer com o professor Gilberto, por um participante deste grupo, Paulo Machado, que é tambem um ativo lutador pela liberação da fosfoetanolamina sintética no Brasil.

O tema da postagem dele foi sobre uma “reportagem” do Fantástico que tratava sobre a compra do medicamento L-asparaginase de um fornecedor da China.

Como costumo sempre alertar, a Globo é uma vitrine de exposições e panfletagem. Expõem ali quem puder pagar mais. E esta vitrine publicitária nunca está voltada para os reais interesses do povo e sim voltada para os interesses comerciais apenas.

Informe publicitario da Globo em 14/01/2017 envolvendo a L-asparaginase

E esta foi a minha resposta ao companheiro do grupo e que depois de algumas horas recebi uma contra-resposta por parte dele:

Pois bem, liguei o meu alerta vermelho e parti para as minhas pesquisas. E encontrei algumas coisas bem interessantes.

O que a Globo nao mostrou é que o produto (L-asparaginase) havia sido descontinuado pelo fabricante da marca Elspar (Merck Sharp & Dome – MSD) e que era importado pela empresa argentina Bagó, cujo Diretor Presidente no Brasil é o equatoriano Fernando Loaiza e o Diretor comercial Carlos Carvalho. O Elspar passou a ser então fabricado pelo laboratório OSO Biopharmaceutical e a importação para o Brasil continuou sendo feita pela empresa Bagó.

Suspensão do fornecimento

Em 2012 houve a suspensão do fornecimento do medicamento Elspar fornecido pela OSO, pondo em risco a saúde de várias crianças do mundo inteiro, inclusive do Brasil. Além dos pacientes adultos.

Novamente a Bagó entra em ação

Para não interromper a continuidade do tratamento dos pacientes diagnosticados com linfoma linfoblástico ou com Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA), foi adquirido para um período de 2 anos (2013-2014), ainda que sem registro na Anvisa, a L-asparaginase da marca Aginasa, produzida pela Medac da Alemanha.

E advinhem qual era a empresa representante desta marca no Brasil? Claro, a Bagó. A aquisição feita com esta empresa em outubro de 2014 garantiu o fornecimento do medicamento até janeiro de 2017.

2016 foi onde a Bagó caiu do cavalo

Em abril de 2016 iniciou um Processo Eletrônico de Compra (PEC) para aquisição da L-asparaginase e veja o que sucedeu:

Todo o texto pode ser lido aqui e se trata de uma nota informativa envolvendo a compra da L-asparaginase.

Se a Globo fosse uma empresa jornalística de verdade e não apenas uma vitrine publicitária, teria informado aos seus telespectadores sobre a verdade dos fatos. Mas para a Globo o que menos importa é a verdade ou a saúde do povo brasileiro e sim os seus interesses comerciais.

Foi noticiado que a Fiocruz passaria a produzir a L-asparaginase a partir de 2015, mas o que será que deu errado? Será que o preço baixo não compensou a fabricação própria? E o dinheiro gasto na parceria público-privada, vai voltar aos cofres públicos?

Segundo o que foi noticiado no site Ucho.info em 18/01/2017 tudo indica que fomos lesados, vejamos:

O problema em relação à L-asparaginase está no baixo valor de comercialização do medicamento e a pequena demanda. Mesmo assim, o medicamento é essencial para milhares de crianças brasileiras que sofrem de Leucemia Linfoblástica Aguda. Segundo a médica Carmem Vergueiro, presidente da Associação da Medula Óssea no Estado de São Paulo, “o medicamento tornou-se barato e, com demanda restrita, imaginamos, não lucrativo para a produção industrial”.

A importação é, hoje, a única solução imediata para o problema. “A perspectiva é sombria: não temos droga similar no mercado nacional. Segundo informações informais da indústria farmacêutica, a produção do medicamento no país levaria em torno de dois anos”, completou a médica.

Ministério da Saúde esclarece sobre troca de laboratório de remédio para Leucemia

A pergunta que muitos devem estar fazendo agora é se a China tem competência para desenvolver pesquisas sobre L-asparaginase

O que pouca gente sabe, e a Globo não tem o interesse comercial de mostrar a verdade aos seus telespectadores, é que quase todos os estudos sobre a L-asparaginase têm pesquisadores chineses envolvidos nas pesquisas. Portanto os chineses são autoridades neste assunto. Conforme se pode ver nas imagens abaixo:

Bibliografia:

http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2017/04/farmaceutica-levanta-novas-duvidas-sobre-remedio-para-cancer-infantil.html

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/informe-publicitario-tempo-de-saude/platb/

https://online.epocrates.com/drugs/479806/Elspar/Manufacturer-Pricing

https://www.smerp.com.br/anvisa/?ac=prodSimilar&anvisaId=106460127

http://www.prsp.mpf.gov.br/sala-de-imprensa/pdfs-das-noticias/Recomendacao%20ANVISA.pdf

http://www.sincofarmamg.org.br/noticias/situacao-do-medicamento-elspar,-produzido-pela-bago-farmaceutica

http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/marco/07/Nota%20Informativa%20Conjunta%2001-2017%20DAF-DAET.pdf

http://ucho.info/escandalo-envolvendo-a-compra-de-medicamento-contra-um-tipo-de-cancer-deve-chacoalhar-o-governo

http://u.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/27916-ministerio-da-saude-esclarece-sobre-troca-de-laboratorio-de-remedio-para-leucemia

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/hon.765/full

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3734195/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22185211

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3957617/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25738356

Anúncios