Simbolismos por detrás dos atentados na Europa

Tenho quase certeza que passa desapercebido para muita gente os simbolismos divulgados amplamente pelos meios de comunicação (que eu prefiro chamar de meios de controle).

Desta vez não entrarei nos pormenores deste último “atentado terrorista” que ocorreu em Las Ramblas, Barcelona. Mas como sempre ocorreu com todos os outros atentados, as imagens são pouco nítidas quando filmadas por presumidas testemunhas locais e são quase sempre filmadas de cima para baixo e quando filmadas por baixo apontam a câmera para todos os lados, para dificultar uma melhor vizualização.

Mas vamos aos simbolismos de alguns dos atentados recentes.

E para finalizar os simbolismos da Europa, vou deixar um simbolismo do Brasil.

Anúncios

Fiéis da Igreja Universal foram atropelados no incidente de Finsbury Park?

De acordo com o que foi noticiado pelas mídias mundo a fora, um homem dirigindo uma van branca (aparentemente estava bêbado) atropelou alguns fiéis que acabavam de sair de uma mesquita em Finsbury Park, em Londres. O acidente teria ocorrido na madrugada de segunda-feira (19/06) por volta de 00:15.

O que foi noticiado:

Que um grupo de pessoas se encontrava do lado de fora da mesquita quando o acidente ocorreu.

O que não te contaram:

O local onde ocorreu o incidente fica em frente a Igreja Universal do Reino de Deus e não de uma mesquita muçulmana.

Clique aqui para ver a Igreja Universal bem de frente da rua onde ocorreu o incidente

A própria Folha confirma esta mesma versão, errando apenas na data. Veja a reportagem da folha e outras fotos da fotógrafa Cynthia Vanzella, residente em Londres e que trabalha para a Folha.

Contradições

De acordo com algumas pessoas que dizem ter presenciado o incidente, a policia levou pelo menos meia hora para chegar no local. Já a versão da policia diz que recebeu a primeira chamda as 00:21, chegando 10 minutos depois.

Mas somente as 00:55 (35 minutos mais tarde) que a policia publicou na sua conta no Twitter o incidente. E as 00:57 London Ambulance menciona o incidente.

A brasileira que trabalha para a Folha e para a afiliada da Rede Globo/RBS, Cynthia Vanzella, confirma a versão da policia e desmente a versão das testemunhas do acidente, postando um twitter as 00:35 do dia 19/06, poucos minutos após o incidente.

Algumas coisas não se encaixam

O relato foi de que a van vinha em alta velocidade na faixa exclusiva para ônibus e fez uma curva brusca à esquerda, atingindo as pessoas que ali estavam, passando entre outros dois carros e derrubando um ferro de proteção, conhecido como “bollard” em inglês. Conforme imagem abaixo:

Conforme esta imagem do Google Earth (clique aqui), a van teria que vir em linha reta, saindo de dentro do templo da universal, passando entre dois carros para bater na barra de proteção. Reparem que há uma lixeira e postes de sinalização que dificultaria fazer uma curva acentuada

Agora vejam esta imagem de um ônibus que bateu numa barra de proteção


http://www.itv.com/news/london/story/2013-10-30/six-injured-as-bus-hit-bollards/

Agora eu pergunto, como foi possível esta van derrubar uma barra destas (clique aqui) sem causar estragos no veículo?

One man is known to be dead and several inured after a hired van was driven in to people outside a Somalian Restaurant on Whadcoat Street in Finsbury Park in North London . Finsbury Park attack, London, UK – 19 Jun 2017 (Rex Features via AP Images)

Outra coincidência ou é pura numerologia?

Como já demonstrei em outro artigo, parece que os números que aparecem nas placas dos carros utilizados nestes eventos foram escolhidos a dedo e que tem por objetivo indicar o número 33.

Ordo ab chao. O medo está sendo criado na população.

Mortos no Bataclan começam a ressuscitar

Atualizado em 19/11/2015 às 18:36

Como noticiei ontem, não existe um consenso entre os números de mortos deste último atentado em Paris.

Os números de mortos do atentado parisiense parecem os números das bolsas de valores, eles ficam oscilando o tempo todo, ora aumenta, ora diminui. Os números de mortos foram aumentando, aumentando, chegou a 149, depois teve um ligeiro aumento, passando para 153 e dois dias depois teve uma forte queda, passando para 129. E os números da cotação dos mortos do Bataclan parecem continuar a cair. Para quem apostou num grande número de mortos, ver esta queda não é nada bom.

Bom mesmo está sendo para quem apostou na vida. Ontem mesmo escrevi o seguinte: Quanta alegria ao saber que um parente que foi dado como morto, agora se encontra vivo. Assim foi o caso de Pilar Touceda, que apostou na vida do seu filho Alberto Pardo Touceda. Ele havia sido dado como morto pelas autoridades francesas e espanholas.

Alberto Pardo Touceda é de Pontevedra, região da Galícia, na Espanha e morava há 3 anos na França, atualmente na cidade de Estrasburgo, divisa com a Alemanha. Como todo bom galego, a sua mãe também é muito desconfiada. E ela chegou a indagar sobre a morte do filho: “Como a polícia francesa é capaz de saber que é o meu filho sem um exame de DNA?”, relataram alguns parentes dela. Esta deveria ser a pergunta para fazermos sobre todos os mortos destes último atentado de Paris. Onde estão os exames de DNA de todos estes mortos? Fizeram de algum pelo menos?

Atualização:

Outro espanhol de nome Jorge Alonso Celada, foi confirmado posteriormente pelas autoridades espanholas como vivo. O seu filho, Guillermo Alonso, assegurou que havia recebido dois correios eletrônicos de seu pai. Depois o próprio Jorge Alonso telefonou para sua esposa confirmando que se encontrava bem

Mortos no Bataclan começam a ressucitar

Bibliografia
http://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/16/internacional/1447640117_529566.html (ou http://nfde.tk/80f7)

http://www.lasexta.com/noticias/mundo/jorge-alonso-celada-otro-espanoles-dado-muerto-paris-comunica-familia-que-esta-vivo_2015111500178.html

Não existe um consenso no número de mortos no último atentado de Paris e alguns relatos não estão coincidindo

 

Se alguém te perguntar, quantas pessoas morreram no último atentado de Paris, o que você responderia?

Sua resposta talvez se baseie em alguns destes números:

CNN 13/11/15 5:27 PM

Link da foto

Na imagem abaixo, podemos notar que a contagem dos mortos continua e que algumas horas depois teve um aumento no número de mortos que já haviam sido encontrados. Até aqui nenhum problema.

CNN 13/11/15 7:14 PM

Link da foto

O problema começa agora. Quase três dias depois dos atentados, a mesma fonte, CNN, que havia recebido a contagem de 149 e depois de 153, agora nos fornece a informação de que são 129 mortos.

O que isso tudo significa? Alguns voltaram a viver? Foram mal contados? Confundiram mortos com feridos? E os familiares dessa gente, o que será que pensa de tudo isso? Quanta alegria ao saber que um parente que foi dado como morto, agora se encontra vivo. E porque será que eles não noticiaram tal fato?

Outra coisa que andei investigando foi sobre o britânico que morreu dentro do Bataclan, Nick Alexander. Talvez por ser britânico e por estar relacionado com a banda que tocava no Bataclan, percebi que sua morte recebeu um certo destaque nas mídias internacionais.

Mas quem é Nick?

Nick é de Colchester, Essex, Reino Unido e tinha 36 anos. Ele estava em Paris, porque era o gerente de Merchandising da banda Eagles of Death Metal, que tocou no Bataclan na noite de sexta-feira 13. A mídia nos diz que Nick morreu no atentado. Mas morreu nos braços de alguém. Não nos braços de alguém qualquer, mas nos braços daquela que foi sua namorada, Helen Wilson. E antes dele morrer ela ainda tentou ressuscitá-lo, fazendo respiração boca-a-boca.

A mídia adora estas estórias.

Helen Jane Wilson, de 49 anos, ao ver que Nick não respirava mais disse (de acordo com o jornal The Telegraph):

Eu segurei ele em meus braços e disse que o amo. Ele foi o amor da minha vida.” Tudo isso aparentemente depois das 21:45 e dela levar tiros em ambas as pernas (nas coxas) e com a chegada da polícia e da ambulância ela foi hospitalizada, precisando tomar transfusão de sangue.

Nick havia convidado sua ex, Helen, para estar com ele neste concerto.

A estória é muito comovente e está cheio de apelos sentimentais, a não ser por alguns detalhes:

Polina Buckley, 24 anos, é a namorada de Nick Alexander. Ela, ao que tudo indica, mora nos Estados Unidos e a úlima foto deles juntos, registrado em seu Instagram, foi aproximadamente há um ano e meio.

Moi and my English muffin waiting to see Dolly Parton

A post shared by Polina Buckley (@polinabuckley) on

Polina em sua conta do Twitter diz: “Você é e sempre será o amor da minha vida, Nick Alexander”.

Quanto a Helen, a que segurou Nick em seus braços e que também disse que ele era o amor da vida dela e que levou tiros em suas pernas, os seus amigos do Facebook queriam saber do seu paradeiro, pois ela havia postado uma mensagem de que estaria no concerto do Eagles of Death Metal, no Bataclan.

Um dos seus amigos no Facebook, Cedric Chazaud, depois de escrever uma mensagem na timeline da amiga, às 22:33h, dizendo-lhe para dar algum sinal de que estaria bem, finalmente obteve uma resposta dela, alguns minutos depois. Às 22:57h, o que foi praticamente uma hora depois de Helen ter levado os tiros, ela informa ao seu amigo, Cedric Chazaud, via mensagem, de que estava ferida nas pernas, mas que entretanto o seu amigo havia falecido.

O curioso nesta estória toda é que Cedric envia outra mensagem via Facebook para todos os outros amigos que ele e Helen têm em comum com os seguintes dizeres:

“O seu empregado Nick, morreu em seus braços”

Seria então o Nick apenas um amigo, ex-namorado ou funcionário da Helen Wilson? Ou ele seria ele tudo isso ou nada disso?

Bibliografia

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/islamic-state/11995836/Paris-attacks-who-are-the-victims.html

http://www.rollingstone.com/music/news/eagles-of-death-metal-merch-manager-nick-alexander-killed-in-paris-attack-20151114

https://www.facebook.com/helen.j.wilson.37

https://twitter.com/polinabuckley