Coxinha que vive nos EUA cai no golpe da globo e acaba fazendo propaganda para a JBS – FRIBOI

Antes de voltar ao tema da carne, fraca para alguns e forte para outros, vou clarificar uma coisa: Um amigo meu vive me pedindo para definir a palavra coxinha para ele, e sempre digo que é a pessoa que, com muita facilidade, cai no conto da “globo” e que lê aquela coisa chamada “veja”, que sai nas bancas todas as semanas.

Voltando agora para a questão da carne. Se é forte ou fraca fica a gosto do freguês. Vi um vídeo que alguns amigos compartilharam no Facebook e que acabou por aparecer na minha linha do tempo. O vídeo é este aqui.

Quando comecei a assistir o vídeo, vi logo que se tratava de um coxinha se vangloriando de que mora nos states e dizendo que o brasileiro só come papelão, isopor e carne podre, então pausei o vídeo pedi para ele começar falando do meat glue que eles costumam consumir por lá. E coloquei este outro vídeo junto com o meu comentário.

Mas a piada melhor ele reservou para o final do vídeo dele. Ao mostrar que compra “PICAÑA”, escrita bem ao estilo latino, e ainda diz que a sorte dele é comprar uma carne da Swift que ele julgava ser de um frigorífico americano. Mal sabe ele que a Swift faz parte da JBS, que ele queria criticar.

Se um coxinha não tivesse tanta vontade de querer se aparecer e de se expor ao ridículo, fazendo algumas pesquisas prévias, com certeza ele deixaria de ser coxinha. Pois não existe coxinha bem informado! Daí o perigo de quem se baseia na globo e na veja.

Estou mais aliviado agora 🙂

Transgênicos: a informação é a nossa melhor arma de combate

No dia 28/04/15 o Projeto de Lei 4148/08, conhecido como PL Heinze, foi aprovado na Câmera dos Deputados. Este PL quer acabar com a rotulagem dos produtos transgênicos. Ou seja, quer tirar do consumidor final seu direito de saber o que come e o que põe na mesa para os seus filhos comerem.

Como sabemos a mídia brasileira é altamente abusiva e manipulativa, não passando de vitrines para expor os produtos e as ideias de grandes corporações. Mas, hoje em dia, graças à internet, temos as mídias alternativas e as novas plataformas para a busca do conhecimento; e uma delas é o Canal do Youtube, onde podemos encontrar valiosas fontes de informações que normalmente nunca encontraríamos nas TVs brasileiras.

Portanto, quero deixar ao meus leitores um excelente programa da televisão portuguesa, do canal SIC Notícias, chamado Toda a Verdade, cujo título é: OGM, Assalto à Europa. Vale a pena conferir o vídeo a seguir e alertar seus amigos e familiares.

Uma outra forma de atuarmos para que esse “projeto macabro”, como diria Enéas, não siga adiante, seria assinando a petição do IDEC – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Para assinar basta clicar aqui e preencher seus dados como nome, e-mail, cidade e estado.

Outra forma de atuação seria fazermos um boicote contra todos os produtos e marcas que hoje já contenham o símbolo “T” de transgênico ou se não quiser correr nenhum risco, o certo seria boicotar todos os produtos industrializados à base de milho e soja.

Saiba mais com a Francine Lima, do canal do Youtube “Do campo à mesa”:

Seria o avião desaparecido da Malaysian Airlines o que caiu em Donetsk na Ucrânia?

Depois dos dois acontecimentos de impacto global, a queda das torres gêmeas e a guerra do Iraque, grande parte da população mundial nunca mais foi a mesma. Houve uma espécie de “despertar” de algumas mentes. Apesar de toda a propaganda das redes mundiais de TV sobre estes episódios, tentando mostrá-los como verdadeiros e lideradas pelas redes CNN, Fox News e BBC, ainda assim algumas pessoas começaram a fazer perguntas que acabaram ficando sem respostas conclusivas. Porque caiu a terceira torre além das torres gêmeas? Onde estariam as armas de destruição em massa que seria a justificativa para a invasão do Iraque?

De lá pra cá, os eventos de repercussão a nível mundial, passaram a ser vistos com outros olhos. Com olhos céticos. Como foi o caso do desaparecimento do avião da Malaysian Airlines, MH-370, que até os dias de hoje é (ou era) para nós uma incógnita o seu paradeiro e que fim levou. Algumas pessoas acreditam que este avião poderia ter sido sequestrado e que serviria como arma, carregado com tanques cheio de combustível e explosivos, para ser usado em algum outro evento, visando um determinado objetivo. O que é certo é que outra tragédia acabou ocorrendo com um avião da Malaysian Airlines, MH-17. Seria apenas uma coincidência ou se trata realmente de uma operação de bandeira falsa (false flag operation, em inglês)?

Uma investigação mais detalhada nos mostra alguns fatos curiosos. Repare na foto abaixo que foi mostrada como sendo do avião MH-17 pelos jornais e redes de televisão. A parte da direita foi invertida em 90º para se ter uma melhor visão. Repare que o canto inferior direito da bandeira está alinhado com uma janela, logo em seguida tendo um espaço à esquerda. Agora repare canto inferior esquerdo, ele está alinhado com uma abertura que foi coberta com metal. Não sendo portanto uma janela.

Agora repare nesta outra foto abaixo. Ela mostra na parte esquerda, a foto dos destroços do avião que a imprensa mostrou como sendo do avião MH-17. Na parte direita superior desta mesma foto aparece 3 imagens sendo do avião MH-17. Repare que as posições das janelas com a bandeira não coincidem com o destroço mostrado pela imprensa. Mas se observarmos na parte direita inferior, notamos que coincide com o destroço que foi mostrado. E aqui começa o problema, pois na verdade está mais para o avião que desapareceu, MH-370, do que o avião que foi supostamente bombardeado, MH-17.

Outra informação importante a ser observada. Todo avião tem uma numeração que o identifica. Na cauda e acima do trem de pouso dianteiro.

A suposta foto do passageiro holandês Cor Pan, que tirou uma foto momentos antes de embarcar no voo MH-17, na verdade não se trata do aviao 9M-MRD e sim de outro avião de identificação 9M-MRC.

Existe ainda um outro fato curioso. Um dia após o suposto avião MH-17 ter sido abatido por um míssil, a página da companhia mostrava que o voo tinha sido cancelado. Mesmo que pudêssemos pensar que pode ter sido um erro do sistema, ainda assim fica uma pergunta intrigante, porque será que no dia seguinte da queda do avião da Malaysian Airlines, que saiu de Amsterdã, um outro avião (9M-MRL) que também havia saído de Amsterdã e com o mesmo destino do avião que caiu, voava tranquilamente sobre a mesma zona de conflito? Será que a companhia não havia pensado no risco de ter um outro avião abatido e por em risco a vida de mais passageiros?

Deixo estas dúvidas inquietantes para os meus leitores.

Fontes:

beforeitnews.com
veteranstoday.com

O mundo está despertando

E se toda a vida que levamos, no nosso dia a dia, não for a que exatamente gostaríamos de levar? E se de repente descobríssemos que vivemos numa grande ilusão, dentro de uma matrix?

Muitas pessoas ao redor do mundo já estão começando a despertar para a realidade. Ai de repente tudo a sua volta passa a não fazer mais sentido como antes.

Espero que este documentário ajude você despertar ou pelo menos a lhe deixar com um ponto de interrogação em sua mente.

Chegou a hora de acordarmos do sono letárgico. É tempo de DESPERTAR!

Porque ninguém é perfeito!

Querendo ou não, todos estamos aqui, nesta grande nave chamada Terra, para aprendermos aquilo que realmente importa. Assim, um dia compreenderemos que um rostinho bonito na realidade não é mais bonito que a beleza interior, que é demonstrada pelas pessoas de caráter. Descobriremos que o acúmulo de bens materiais, como a bela casa e o belo carro, em nada se compara com o acúmulo de bens espirituais, que são os sentimentos nobres e elevados, que só os que já trilharam por longos e tortuosos caminhos, nesta e nas outras vidas, são os que têm a capacidade de deter e acumular.

Certos políticos e empresários constroem fortalezas para se protegerem do povo

Na idade média, os feudais construíam fortalezas para se protegerem, proteger o rei, sua família, seus bens, etc. Hoje temos um novo sistema, o capitalismo, que veio substituir o feudalismo, antiga organização social e política da Europa, que era também conhecida como “A Idade das Trevas”. O capitalismo teve uma melhor aceitação global, passando a ser o sistema dominante da maioria dos países hoje em dia.

Mas se repararmos bem, certas peculiaridades do sistema feudal foram simplesmente transferidas para o capitalismo. No sistema feudal existiam os nobres, que eram os coletadores de impostos, existia o clero, que não pagava impostos e ainda recebia uma fatia de dez por cento em troca de proteção espiritual e tinham os servos (que também podemos chamar de escravos), que pagavam todas as taxas e tributos (os impostos de hoje), tais como: corvéia (trabalho de 3 a 4 dias nas terras do senhor feudal), talha (metade da produção), banalidades (taxas pagas pela utilização do moinho e forno do senhor feudal).

Hoje vivemos na doce ilusão de que os tempos são outros e de que a escravidão foi extinta. Se Tim Ferriss estiver certo, como ele demonstra em seu livro Trabalhe 4 horas por semana, então nós estamos trabalhando 5 dias nas “terras do nosso senhor feudal” e não 3 ou 4 como era comum no outro tipo sistema escravo. No atual, além de continuarmos pagando altas taxas por tudo, ainda acabamos sendo convencidos, via publicidade e muito lobby, a comprar aquilo que não queremos nem necessitamos e o que é pior, pagamos caro para nos alimentar com uma comida de péssima qualidade, que nos irá fazer mal, que irá debilitar nosso corpo causando-nos inúmeras enfermidades, para depois pagarmos por uma promessa de possível cura.

No sistema feudal, quando os servos começaram a se darem conta das enormes injustiças na qual eles eram submetidos ( isso quando eles tinham a possibilidade de reunir e discutir seus problemas, já que na maioria das vezes essas reuniões aconteciam na surdina, na calada da noite), o povo começou a se juntar e pressionar os seus senhores feudais. Se a pressão fosse muito forte e feita de forma coordenada, a nobreza se via encurralada, tentando passar a falsa impressão de que estaria protegida por detrás das muralhas da fortaleza. E era só uma questão de meses, para que esta nobreza, que estava presa dentro do seu próprio castelo, começasse a sofrer com escassez de comida, água e outros mantimentos.

No sistema atual, a fortaleza, a muralha que protege os “nossos nobres”, são as leis criadas por eles. Criam-se leis aqui, fazem emendas de outras leis acolá. Tudo como uma forma de protegerem seus bens pessoais, de suas companhias e de suas famílias. Mas igual que no sistema feudal, nenhum nobre (empresário, banqueiro, político, polícia) do sistema atual conseguiria sobreviver por muito tempo com uma pressão forte e coordenada dos servos (trabalhadores consumidores e pagadores de impostos). A fortaleza desses nobres acabariam por ruir, pois não é baseada em leis justas.

A internet vem sendo um aliado muito importante para os servos atuais, pois ela favorece a troca de ideias e de informações com outras pessoas ao redor do mundo. Hoje, em questão de poucas horas, uma informação chega a ter mais de um milhão de visualizadores. Recentemente novos movimentos começaram a surgir com a ajuda da internet e em questão de dias foi possível reunir milhões de pessoas nas ruas do Brasil. Os nobres atuais sentiram o impacto desses movimentos, podendo perceber a força de um povo unido. E para dispersar esse povo unido, tiveram que usar a sua arma mais letal: a mídia, a pena que fere e mata sem pena e sem dó. Porque eles sabem que somente a força física não é capaz de controlar esse povo. Não controlou no passado e não vai controlar agora. Mas a mídia pode controlar e conduzir multidões, igual que uma manada de bois é conduzida para o matadouro.

O povo irá novamente se libertar de mais um sistema que foi criado para conduzi-los cegamente pela vida. Mas primeiramente esse povo deverá identificar quem são os nobres. Antes era muito mais fácil de identificá-los, hoje parece ser mais difícil. Eles, os nobres, tiveram que criar modernos disfarces para não serem descobertos. É um erro, por exemplo, pensar em divisões dentro da política. Isso seria como pensar em uma disputa entre a Skol e a Brahma. Não devemos pensar, enquanto falamos de política, em direita ou esquerda, em partidos ou siglas. Uma pessoa, por melhor intenção que ela tenha antes de entrar para a política, uma vez dentro desse sistema político que não foi foi criado por ela e sim por um grupo de “pessoas nobres”, acabará por ter que obedecer as regras do jogo ou sair dele de um jeito ou de outro. Se uma pessoa resolve entrar para lutar contra o atual sistema político, pode ser que passe todo o seu mandato apenas brigando com os “opositores”. E no final acabará terminando o mandato como sendo um mau político, que de tanto brigar acabou nada fazendo para o povo que acredita que o elegeu.

Igual que no sistema feudal, é o povo quem alimenta, dá de beber, veste e arca com toda a extravagância desses nobres. Eles não são capazes de dar um passo sem o nosso consentimento. Na verdade os sistemas por eles criados só funcionam com o nosso apoio e permissão. Mas ilusoriamente pensamos ser o contrário. Se o povo parar de financiá-los e promovê-los, o sistema deles param também e eles simplesmente deixam de existir, não havendo mais lugar para se esconderem. E é por isso que as revoltas populares têm se intensificado ao longo destes últimos anos. Como disse, estamos nos comunicando mais, trocando mais informações e também aprendendo mais. Aos poucos os povos vão identificando quem são estes nobres, quais são os canais usados por eles para intermediarem com estes povos. E assim esse povo passará a não escutar mais as mídias controladas pelos nobres e nem a ouvir os seus legítimos representantes: que são os políticos, que supostamente eram para representar os interesses do povo. Assim, finalmente estamos aprendendo que não é o povo quem escolhe e sim é o sistema que diz quem entra e quem sai. Os povos devem ter o seu próprio sistema: criado por eles, comandado por eles e voltado para eles.

Olá, mundo!

Bem-vindo ao meu blog. Esse é o meu primeiro artigo. Aqui irei compartilhar com meus leitores, alguns dos conhecimentos adquiridos ao longo dos anos, entre viagens e estudos. Espero poder ser útil de alguma forma e assim contribuir para um mundo melhor. Onde acredito que se cada um de nós fizermos uma pequena parte para melhorar o mundo, juntos no final resultará em uma grande mudança.
Fiquem a vontade para opinar, comentar sobre os artigos, layout ou design do blog. Siga-nos no twitter. Assine nosso Feed. Compartilhe suas ideias conosco e divulgue nossas ideias também. Juntos faremos uma diferença.
Obrigado pela visita e tenha uma ótima leitura.

Marden Carvalho.