E o papo segue com um liberal defensor de Bolsonaro

Clique na imagem para ver todo o conteúdo.

Jonas, posso arriscar a dizer que você votou em Aecio em 2014, certo? E agora sei que votará no palhaço Bozo. Na verdade não sei por que continuo chamando ele de palhaço, pois só faz graça para os eleitores deles, a parte reacionária do Brasil. Mas vamos dar prosseguimento ao nosso bate-papo.

O povo pobre, humilde e simples do Brasil, votou em Dilma, para ter a continuidade dos programas desde a era Lula. Sim, foi um risco fazer tal aliança com PMDB, mas sem ela pode ser que a vitória de Dilma estivesse em perigo. Mas o tempo nos mostrou que a vitória de Dilma estaria em perigo de todas as formas. Pois ela não conseguiu governar no seu segundo mandato. Quem votou em Aécio queria ver a queda da Dilma. Ponto, apenas isso. Porque a mão que manipula os manifestoches batedores de panela, queria Aécio ou Temer na presidência. Veja por exemplo a maçonaria, apoiou o maçom Aécio e agora apoia o maçom Temer. Está tudo entre irmãos de pacto (de sangue?)!

Você diz que não é retardado para ler história. Mas de qual história você faz menção? Há as histórias da carochinha, que são verdadeiros contos de fada, conversas para boi dormir. Se até o boi dorme com estas histórias, o que dirá das nossas criancinhas? Mas me conte mais sobre esta história que você diz saber, de que a esquerda é má, mentirosa e assassina? Não seria o contrário?

A direita defende os bancos com o seu capital financeiro internacional e tem a grande mídia ao seu favor. A esquerda defende os pobres e temos um ao outro apenas, nos berros de angústia e nos gritos de dor, para fazer com que a nossa voz seja ouvida. Tudo bem, raramente, mas muito raramente mesmo, temos uma escola de samba gritando por nós. Ah se isso virasse rotina! Esta escola pareceu a empregada negra gritando na cara da patroa rica e branca (Rede Globo).

A direita, que tem como representantes o grande capital, chegou ao absurdo de ter cinco a seis famílias com mais riqueza que mais de cem milhões de brasileiros. E fique sabendo que é a direita que controla a indústria farmacêutica no Brasil e no mundo. É a direita que persegue o professor Gilberto Chierice e que proibiu a fosfoetanolamina em solo nacional. Ou você acha que Alckmin é de esquerda? E quantos não morreram e continuam morrendo por falta de um composto como a fosfoetanolamina? A direita mata e mata muito. Com uma canetada aqui, uma liminar alí e um veto acolá.

O Brasil é maior que qualquer político e vai continuar sendo esse grande celeiro da humanidade. Bolsonaro, por mais insignificante que seja, vai servir para todos nós como uma grande lição a ser aprendida: a de que não se pode alimentar o ódio por muito tempo, pois pode virar um monstro de difícil controle. Sabe aquele Bolsonaro militar, intervencionista, nacional-desenvolmentista e de viés estatizante? Morreu. Ou como alguns preferem dizer: virou a casaca. Agora ele tá liberando geral, virou liberalista. Vai liberar tudo, em prol do mercado. Se não acredita, pode consultar aqui: http://archive.is/j9Tfg.

Portanto, com o Bolsonaro liberal satisfazendo o capital financeiro, vai levar o Brasil de volta para o mesmo cenário da era FHC: o de miséria. Somente uma esquerda forte será capaz de reverter os estragos protagonizados pelo golpista vampirista Temer, que vem cumprindo esta mesma agenda liberal, que agora flerta com Bolsonaro. Foi nos governos de esquerda que o Brasil conseguiu reduzir a fome e a pobreza extrema em 75% (http://archive.is/Wh70K). Parece pouco? Talvez não para aqueles que passaram a ter três refeições por dia, quando antes mal podiam comer farinha e farelos.

Anúncios

Trocando idéias com um liberal sobre a reforma da previdência


Questionei o amigo em comum (no Facebook), Jonas Lutzer, mas obtive uma resposta um tanto quanto de difícil compreensão. Tenho debatido com algumas pessoas que se dizem “liberais” e as respostas que venho obtendo são geralmente nesta mesma linha, um pouco escorregadias, digamos.

A matéria que foi trazida pelo amigo Sodré diz que empresas privadas devem R$ 450 bilhões aos cofres públicos.

Questionei ao Jonas o porquê dele achar equivocado este valor. A resposta foi: “Se vc é escravo do governo o número está certo, se vc é livre, esse número está errado.

Mas como eu desconheço um país onde tudo seja privatizado, penso que fazer parte da rede pública ou utilizar os serviços públicos não seja nenhum tipo de escravidão. Afinal de contas estamos utilizando um serviço que é comum de todos.

O termo/argumento utilizado por ele, “se vc é livre, esse número está errado” dá a entender que estas empresas não devem nada. É uma frase muito comum dos liberais ou liberalistas. Eu costumo dizer que eles são liberais com o dinheiro dos outros, mas muito seguros com o próprio dinheiro. E o que venho falando é tanto verdade que logo em seguida temos esta outra fala “Eu só “contribuo” pq sou obrigado”. As empresas tambem são obrigadas, mas elas usam de subterfúgios para fugirem das cobranças e nunca pagarem o que devem. E acreditamos que o mesmo faria Jonas, pois isso ele já deixou evidente na sua própria fala “se eu tivesse a opção jamais contribuiria para esse sistema”.

Ok, vamos então para alguns problemas que surgem com este pensamento dos “liberais”, que pelo visto amam o controle do capital financeiro mas detestam o controle do Estado, ou seja, detestam o controle daqueles que o povo escolheu para gerir e adminstrar o bem público. Mas antes é preciso deixar registrado aqui que nada tenho contra o Jonas, mas muito pelo contrário, o conheci, assim como conheci o nosso amigo em comum, Sodre, através da luta que ajudei a travar em favor da fosfoetanolamina. Continuemos.

Vamos supor que consigamos separar de forma independente o sistema público do sistema privado. E sabendo, é claro, de antemão, que o sistema privado não gosta de pagar pelos serviços públicos que utiliza, seja do município ou do estado. Sabemos que uma empresa privada, qualquer que seja ela, geralmente, para abrir vai necessitar logo de início para a sua construção de dois serviços públicos básicos: água e luz. Mas como estamos separando os serviços e temos uma população mais consciente e mais esclarecida (vamos assumir isso, ok?), para se construir esta empresa privada teriam que durante algum tempo coletar água da chuva, armazenando-a em tanques e instalar painéis solares para fazer o armazenamento de energia fotovotaíca, para só então começar a ser construída. Estamos assumindo que esta empresa privada, não vai querer e nem vai precisar utilizar de nenhum serviço da rede pública. Estamos combinados?

Digamos que ela consiga resolver este problema inicial, mas muito crucial, e que consiga concluir suas instalações. O que seria impossível, devido a milhares de outros fatores que poderia citar aqui, mas que vou deixar de lado por enquanto para não me alongar muito. Então, concluída as instalações desta empresa privada, totalmente livre, totalmente independente do Estado (opressor), ela vai precisar de um outro recurso, que é a mão de obra. Ela vai precisar de funcionários para serem explorados com muitas cargas horárias de trabalho e recebendo um péssimo salário, para gerar altos lucros para a cúpula das empresas privadas.

Mas como se daria o transporte de algum funcionário, desde a casa deste até à empresa e vice-versa? O funcionário não poderia sair da sua casa, utilizando uma via pública e nem muito menos utilizando um transporte público para se deslocar até o seu trabalho, que fica nesta empresa privada. Lembrem-se que estamos aqui separando os dois serviços, certo? E que a empresa privada está livre do Estado malvadão, ok? Então a empresa teria que construir casas e estradas privadas, particulares, para que este empregado pudesse ir trabalhar sem precisar utilizar dos serviços públicos; e que como sabemos as empresas privadas são péssimas pagadoras destes serviços.

Alguns podem estar se perguntando, se uma empresa for ter que construir casas e estradas para seus funcionários ter que trabalhar, praticamente iria ficar inviável para elas, pois aumentariam e muito os custos de qualquer produção, diminuindo assim a margem de lucro da empresa.

Mas é justamente aí que mora a grande jogada das empresas, as verdadeiras sonegadoras de impostos. E o próprio Jonas vai nos ajudando a desenvolver este nosso raciocínio. Vejamos o que ele disse por último em seu comentário: “Minha poupança me dará mais que minha aposentadoria, e eu poupo menos que pago para a previdência.”

Claro que sim, Jonas. Mas quem está ou quais empresas estão por detrás deste esquema de sonegação de impostos e do não cumprimento do pagamento das dívidas? Uma delas é o capital financeiro, são os bancos um dos grandes beneficiários do calote público. É por isso, e só por isso, que bancos privados conseguem pagar um pouco mais que a própria previdência pública. Ou seja, os bancos querem essa ajudinha dos governos, por isso que esta tal “deforma” está sendo jogada contra a população mais pobre, enquanto ela libera o capital para as grandes corporações deitarem e rolarem com os bens públicos, engordando assim, cada vez mais, seus patrimônios privados.

Por enquanto, com todos os liberais de última hora que tenho tido a oportunidade de trocar algumas palavras têm se demonstrado que são liberais com o dinheiro dos outros mas muito conservadores com o próprio dinheiro.

Liberalismo é só mais uma ferramenta do Capitalismo. E precisamos discutir este e outros temas com toda a sociedade, urgentemente.

A deforma do Trump e a celebração dos anarcos-liberais-capitalistas

Trump aprovou uma deforma nas terras do Tio Sam. Basicamente é isso: uma redução de impostos de 3% para os mais pobres, a classe trabalhadora, e concedeu uma grande dádiva para os exploradores desta classe trabalhora, uma redução de quase 15%. Agora vou fazer um resumo bem básico.

Se uma pessoa lá ganha 30.000 por ano, ela antes pagava 4500 de impostos (15%) e vai passar a pagar 3600 (12%), uma economia de 900 dólares por ano. Uma empresa que fatura 300.000 por ano, antes pagava 105.000 de impostos (35%) e agora vai passar a pagar 63.000 (21%), uma redução de 42.000 a cada ano. Aqui já fica claro quem está lucrando mais, certo?

Só que com estas reduções, vai haver menos investimentos no país. A pessoa que economizará 900 dólares no ano, provavelmente vai usar esse dinheiro para ajudar a pagar a fatura do cartão de crédito, o impréstimo da casa ou o financiamento dos estudos.

Mas quem recebeu a dádiva de embolsar 42.000 a mais no bolso, no fim de cada ano, não vai preocupar muito se estão investindo em saúde, ele, que já tinha um bom plano privado de saúde, agora se quiser pode migrar para um outro melhor ainda. E vai poder a cada ano ir trocando de carro, por um carro melhor é claro.

Eu ouvi dos anarcos-liberais-capitalistas (inclusive do Brasil) de que agora vai sobrar dinheiro para o patrão aumentar o salário dos empregados. Como assim ALCs? Pois a deforma do Trump já demonstra claramente que o que ele fez foi aumentar os salários dos patrões?

Mas o pulo do gato do Trump, está em aprovar algo que beneficiará ele e suas empresas. Nada bobo, hein? E a população americana? Aqueles que tiverem ainda algum emprego, ao invês de pagar os juros, penso que seria melhor ir comprando barracas, pois provavelmente irá precisar, já que o fosso entre pobres e ricos vai aumentar ainda mais com esta deforma deles.

Mamãe falei merda no Pânico

Normamenlte quando uma pessoa “fala uma merda” é porque ela diz algo que não deveria ter dito ou porque ela se contradiz naquilo que ela fala ou que diz acreditar. E não vejo pessoas melhores para falarem merda, do que aquelas que se dizem libertárias. E para mim é uma grande incoerência alguém que se julga ser um libertário e ao mesmo tempo começa a ganhar espaço nas mídias tradicionais do sistema. Pois o sistema quer o controle absoluto de tudo.

Se para mim é algo muito indigesto assistir um programa ou ouvir uma rádio como os do integrantes do Pânico, imaginem quando o entrevistado é conhecido por seus vídeos no Youtube através de um canal chamado Mamãe Falei e que doravante passo a chamar, carinhosamente, de mamãe falei merda.

Vamos à entrevista, onde coloco um link para os pontos específicos da conversa. E de quase uma hora e quinze minutos de entrevista, confesso que os primeiros quinze minutos foi de embrulhar o estômago e parei por aí.

13:30Eu acho bacana o pessoal estudar sobre liberalismo, que é basicamente isso, a gente se livrar do Estado em todos os aspectos, econômicos e também comportamentais“.

14:00A diferença básica dos EUA para o Brasil:

Como nos EUA o voto é facultativo, então eles prezam para o extremismo, que é para tirar o cara de casa… O pessoal do meio é mais difícil de você atingir. Eu acho que como aqui no Brasil infelizmente a gente ainda tem o voto obrigatório, eu acho que essa massa de manobra é muito mais fácil de você manobrar, então eu acho que aqui na verdade a gente consegue com menos extremismo, informar mais o pessoal e fazer o pessoal votar um pouco mais consciente“.

Esperem lá, vamos tentar desfazer este imbróglio aqui, que mais tá parecendo uma mistura de vatapá com dobradinha, feijoada e buchada de bode. Algo muito indigesto, quando se mistura as coisas.

O mamãe falei merda, que se considera um liberal até do comportamento, diz que o Estado, na opinião dele e de outros liberalistas, deve ser nulo, zero, niente. Ele concorda que nos EUA, o paraíso dos coxinhas na visão desta galera que libera geral, o voto é facultativo. Ou seja, que você não é obrigado a votar.

E se você não é obrigado a votar, isso implica que você tem mais liberdade, certo? Errado!

E quem diz isso não sou eu não, é o próprio mamãe falei merda. Recaptulando o que ele disse: se você tem mais liberdade para votar (ou deixar de votar), facultativamente, então você tende a ir para o lado do extremismo, como é o caso dos EUA.

Na visão do mamãe falei merda o Brasil “infelizmente” (palavra dele e grifo nosso) ainda tem o voto obrigatório.

Mas isso é bom ou ruim? Deve estar se perguntando o leitor mais atento.

Quem diz “infelizmente”, então deve considerar o voto obrigatório como algo ruim, certo? Errou de novo!

Porque “na verdade a gente (do Brasil) consegue com menos extremismo, informar mais o pessoal e fazer o pessoal votar um pouco mais consciente”.

Viram que maravilha? O Estado te obrigando a votar, te ajuda a votar com menos extremismo, que por si só já é uma coisa excelente, e consegue informar mais o pessoal e este passa a votar mais consciente.

Mas vamos continuar, que o mamãe falei merda tem mais merda para falar ou mais merda para esconder.

15:20 O que eu acho que fez o Lula ganhar foi populismo barato, foi guerra de retórica e ele ganhou. Porque o Lula é típico cara que tem forma e não tem conteúdo. Ele sabe falar, ele sabe cativar, só que o cara não tem conteúdo.

15:34 O entrevistador pergunta: quem tem conteúdo?

Repare na evaziva do mamãe falei merda:

É difícil, essa resposta é difícil cara. A gente deve pesquisar e buscar quem que você acha que te representa.”

Então ele sabe criticar o Lula mas não sabe colocar um contraponto? Ou será que agora ele tem vergonha de falar do Aécio Neves?

Mas ele foi pego logo a seguir em outra pergunta que o deixou em outra saia justa.

15:42 Quem te representa?

É difícil de falar cara, essa pergunta que eu acho que é a mais difícil cara.”

Ele teria sido mais sincero nesta entrevista se tivesse dito que o bandido do Aécio Neves o representava e que agora está buscando um novo representante, talvez um candidato mais pastoso e escorregadio, à doriana.

Mas continuemos que o mamãe falei merda tem mais coisas a revelar.

15:55Eu acho que quando você responde de bate-pronto, eu acho que você está muito mais sujeito ao erro do que você falar assim: posso pensar melhor?

Mas alto lá, o canal do mamãe falei merda não faz justamente isso? Forçar as pessoas a darem uma resposta no “bate-pronto”?

Ele acaba de revelar a estratégia que usa em suas “famosas entrevistas”. Para mim nunca foi uma novidade esta estratégia utilizada por ele, tanto é que os meus amigos que me conhecem mais de perto sabem que não discuto ou procuro não discutir política pessoalmente, justamente por não ter em mãos todos os dados necessários para dar uma resposta mais embasada.

E qual deveria ser a resposta para todas as perguntas do mamãe falei merda?

Resposta: Posso pensar melhor?