Trocando idéias com um liberal sobre a reforma da previdência


Questionei o amigo em comum (no Facebook), Jonas Lutzer, mas obtive uma resposta um tanto quanto de difícil compreensão. Tenho debatido com algumas pessoas que se dizem “liberais” e as respostas que venho obtendo são geralmente nesta mesma linha, um pouco escorregadias, digamos.

A matéria que foi trazida pelo amigo Sodré diz que empresas privadas devem R$ 450 bilhões aos cofres públicos.

Questionei ao Jonas o porquê dele achar equivocado este valor. A resposta foi: “Se vc é escravo do governo o número está certo, se vc é livre, esse número está errado.

Mas como eu desconheço um país onde tudo seja privatizado, penso que fazer parte da rede pública ou utilizar os serviços públicos não seja nenhum tipo de escravidão. Afinal de contas estamos utilizando um serviço que é comum de todos.

O termo/argumento utilizado por ele, “se vc é livre, esse número está errado” dá a entender que estas empresas não devem nada. É uma frase muito comum dos liberais ou liberalistas. Eu costumo dizer que eles são liberais com o dinheiro dos outros, mas muito seguros com o próprio dinheiro. E o que venho falando é tanto verdade que logo em seguida temos esta outra fala “Eu só “contribuo” pq sou obrigado”. As empresas tambem são obrigadas, mas elas usam de subterfúgios para fugirem das cobranças e nunca pagarem o que devem. E acreditamos que o mesmo faria Jonas, pois isso ele já deixou evidente na sua própria fala “se eu tivesse a opção jamais contribuiria para esse sistema”.

Ok, vamos então para alguns problemas que surgem com este pensamento dos “liberais”, que pelo visto amam o controle do capital financeiro mas detestam o controle do Estado, ou seja, detestam o controle daqueles que o povo escolheu para gerir e adminstrar o bem público. Mas antes é preciso deixar registrado aqui que nada tenho contra o Jonas, mas muito pelo contrário, o conheci, assim como conheci o nosso amigo em comum, Sodre, através da luta que ajudei a travar em favor da fosfoetanolamina. Continuemos.

Vamos supor que consigamos separar de forma independente o sistema público do sistema privado. E sabendo, é claro, de antemão, que o sistema privado não gosta de pagar pelos serviços públicos que utiliza, seja do município ou do estado. Sabemos que uma empresa privada, qualquer que seja ela, geralmente, para abrir vai necessitar logo de início para a sua construção de dois serviços públicos básicos: água e luz. Mas como estamos separando os serviços e temos uma população mais consciente e mais esclarecida (vamos assumir isso, ok?), para se construir esta empresa privada teriam que durante algum tempo coletar água da chuva, armazenando-a em tanques e instalar painéis solares para fazer o armazenamento de energia fotovotaíca, para só então começar a ser construída. Estamos assumindo que esta empresa privada, não vai querer e nem vai precisar utilizar de nenhum serviço da rede pública. Estamos combinados?

Digamos que ela consiga resolver este problema inicial, mas muito crucial, e que consiga concluir suas instalações. O que seria impossível, devido a milhares de outros fatores que poderia citar aqui, mas que vou deixar de lado por enquanto para não me alongar muito. Então, concluída as instalações desta empresa privada, totalmente livre, totalmente independente do Estado (opressor), ela vai precisar de um outro recurso, que é a mão de obra. Ela vai precisar de funcionários para serem explorados com muitas cargas horárias de trabalho e recebendo um péssimo salário, para gerar altos lucros para a cúpula das empresas privadas.

Mas como se daria o transporte de algum funcionário, desde a casa deste até à empresa e vice-versa? O funcionário não poderia sair da sua casa, utilizando uma via pública e nem muito menos utilizando um transporte público para se deslocar até o seu trabalho, que fica nesta empresa privada. Lembrem-se que estamos aqui separando os dois serviços, certo? E que a empresa privada está livre do Estado malvadão, ok? Então a empresa teria que construir casas e estradas privadas, particulares, para que este empregado pudesse ir trabalhar sem precisar utilizar dos serviços públicos; e que como sabemos as empresas privadas são péssimas pagadoras destes serviços.

Alguns podem estar se perguntando, se uma empresa for ter que construir casas e estradas para seus funcionários ter que trabalhar, praticamente iria ficar inviável para elas, pois aumentariam e muito os custos de qualquer produção, diminuindo assim a margem de lucro da empresa.

Mas é justamente aí que mora a grande jogada das empresas, as verdadeiras sonegadoras de impostos. E o próprio Jonas vai nos ajudando a desenvolver este nosso raciocínio. Vejamos o que ele disse por último em seu comentário: “Minha poupança me dará mais que minha aposentadoria, e eu poupo menos que pago para a previdência.”

Claro que sim, Jonas. Mas quem está ou quais empresas estão por detrás deste esquema de sonegação de impostos e do não cumprimento do pagamento das dívidas? Uma delas é o capital financeiro, são os bancos um dos grandes beneficiários do calote público. É por isso, e só por isso, que bancos privados conseguem pagar um pouco mais que a própria previdência pública. Ou seja, os bancos querem essa ajudinha dos governos, por isso que esta tal “deforma” está sendo jogada contra a população mais pobre, enquanto ela libera o capital para as grandes corporações deitarem e rolarem com os bens públicos, engordando assim, cada vez mais, seus patrimônios privados.

Por enquanto, com todos os liberais de última hora que tenho tido a oportunidade de trocar algumas palavras têm se demonstrado que são liberais com o dinheiro dos outros mas muito conservadores com o próprio dinheiro.

Liberalismo é só mais uma ferramenta do Capitalismo. E precisamos discutir este e outros temas com toda a sociedade, urgentemente.

Anúncios

Sobre a L-asparaginase e o que a Globo nunca irá te contar

Fui marcado numa postagem no grupo A Cura do Cancer com o professor Gilberto, por um participante deste grupo, Paulo Machado, que é tambem um ativo lutador pela liberação da fosfoetanolamina sintética no Brasil.

O tema da postagem dele foi sobre uma “reportagem” do Fantástico que tratava sobre a compra do medicamento L-asparaginase de um fornecedor da China.

Como costumo sempre alertar, a Globo é uma vitrine de exposições e panfletagem. Expõem ali quem puder pagar mais. E esta vitrine publicitária nunca está voltada para os reais interesses do povo e sim voltada para os interesses comerciais apenas.

Informe publicitario da Globo em 14/01/2017 envolvendo a L-asparaginase

E esta foi a minha resposta ao companheiro do grupo e que depois de algumas horas recebi uma contra-resposta por parte dele:

Pois bem, liguei o meu alerta vermelho e parti para as minhas pesquisas. E encontrei algumas coisas bem interessantes.

O que a Globo nao mostrou é que o produto (L-asparaginase) havia sido descontinuado pelo fabricante da marca Elspar (Merck Sharp & Dome – MSD) e que era importado pela empresa argentina Bagó, cujo Diretor Presidente no Brasil é o equatoriano Fernando Loaiza e o Diretor comercial Carlos Carvalho. O Elspar passou a ser então fabricado pelo laboratório OSO Biopharmaceutical e a importação para o Brasil continuou sendo feita pela empresa Bagó.

Suspensão do fornecimento

Em 2012 houve a suspensão do fornecimento do medicamento Elspar fornecido pela OSO, pondo em risco a saúde de várias crianças do mundo inteiro, inclusive do Brasil. Além dos pacientes adultos.

Novamente a Bagó entra em ação

Para não interromper a continuidade do tratamento dos pacientes diagnosticados com linfoma linfoblástico ou com Leucemia Linfoblástica Aguda (LLA), foi adquirido para um período de 2 anos (2013-2014), ainda que sem registro na Anvisa, a L-asparaginase da marca Aginasa, produzida pela Medac da Alemanha.

E advinhem qual era a empresa representante desta marca no Brasil? Claro, a Bagó. A aquisição feita com esta empresa em outubro de 2014 garantiu o fornecimento do medicamento até janeiro de 2017.

2016 foi onde a Bagó caiu do cavalo

Em abril de 2016 iniciou um Processo Eletrônico de Compra (PEC) para aquisição da L-asparaginase e veja o que sucedeu:

Todo o texto pode ser lido aqui e se trata de uma nota informativa envolvendo a compra da L-asparaginase.

Se a Globo fosse uma empresa jornalística de verdade e não apenas uma vitrine publicitária, teria informado aos seus telespectadores sobre a verdade dos fatos. Mas para a Globo o que menos importa é a verdade ou a saúde do povo brasileiro e sim os seus interesses comerciais.

Foi noticiado que a Fiocruz passaria a produzir a L-asparaginase a partir de 2015, mas o que será que deu errado? Será que o preço baixo não compensou a fabricação própria? E o dinheiro gasto na parceria público-privada, vai voltar aos cofres públicos?

Segundo o que foi noticiado no site Ucho.info em 18/01/2017 tudo indica que fomos lesados, vejamos:

O problema em relação à L-asparaginase está no baixo valor de comercialização do medicamento e a pequena demanda. Mesmo assim, o medicamento é essencial para milhares de crianças brasileiras que sofrem de Leucemia Linfoblástica Aguda. Segundo a médica Carmem Vergueiro, presidente da Associação da Medula Óssea no Estado de São Paulo, “o medicamento tornou-se barato e, com demanda restrita, imaginamos, não lucrativo para a produção industrial”.

A importação é, hoje, a única solução imediata para o problema. “A perspectiva é sombria: não temos droga similar no mercado nacional. Segundo informações informais da indústria farmacêutica, a produção do medicamento no país levaria em torno de dois anos”, completou a médica.

Ministério da Saúde esclarece sobre troca de laboratório de remédio para Leucemia

A pergunta que muitos devem estar fazendo agora é se a China tem competência para desenvolver pesquisas sobre L-asparaginase

O que pouca gente sabe, e a Globo não tem o interesse comercial de mostrar a verdade aos seus telespectadores, é que quase todos os estudos sobre a L-asparaginase têm pesquisadores chineses envolvidos nas pesquisas. Portanto os chineses são autoridades neste assunto. Conforme se pode ver nas imagens abaixo:

Bibliografia:

http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2017/04/farmaceutica-levanta-novas-duvidas-sobre-remedio-para-cancer-infantil.html

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/informe-publicitario-tempo-de-saude/platb/

https://online.epocrates.com/drugs/479806/Elspar/Manufacturer-Pricing

https://www.smerp.com.br/anvisa/?ac=prodSimilar&anvisaId=106460127

http://www.prsp.mpf.gov.br/sala-de-imprensa/pdfs-das-noticias/Recomendacao%20ANVISA.pdf

http://www.sincofarmamg.org.br/noticias/situacao-do-medicamento-elspar,-produzido-pela-bago-farmaceutica

http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/marco/07/Nota%20Informativa%20Conjunta%2001-2017%20DAF-DAET.pdf

http://ucho.info/escandalo-envolvendo-a-compra-de-medicamento-contra-um-tipo-de-cancer-deve-chacoalhar-o-governo

http://u.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/27916-ministerio-da-saude-esclarece-sobre-troca-de-laboratorio-de-remedio-para-leucemia

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/hon.765/full

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3734195/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22185211

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3957617/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25738356

Porque a fosfoetanolamina do Dr. Gilberto não deve ser vendida

quarteto da fosfo

Crédito para a imagem: Conexão Jornalismo

Primeiro porque o próprio idealizador/sintetizador da fosfoetanolamina no Brasil, Gilberto Chierice, afirma que, seguindo seus princípios (e não há nada mais gratificante que ver pessoas de princípios morais elevados como os dele), a fosfoetanolamina deve ser gratuita, fornecida pelo governo. Esta informação pode ser coletada em vários de seus vídeos, ou em seu último vídeo até o momento, onde ele presta depoimento à polícia federal, que intentam incriminá-lo com envolvimentos na Lava-Jato.

Agora existe uma série de outras razões que passo a descrever aqui e que todos deveriam prestar bastante atenção

A fosfoetanolamina brasileira foi desenvolvida com dinheiro público

Mas o que isso significa? Significa que nós, como uma sociedade, pagamos através de nossos impostos para que investimentos fossem feitos nas áreas de pesquisa e saúde e que todo o resultado fosse destinado para o povo, que foi o investidor de tais projetos. Vejam bem, o povo foi quem pagou, quem financiou para que toda a linha de pesquisa e testes pudessem ter sido levados a cabo.

Saiba como importar a fosfoetanolamina sem pagar os altos juros dos bancos e sem pagar IOF

Os sabotadores e sequestradores da fosfoetanolamina

Significado de SequestrarO povo começa a despertar, a duras penas e a muito custo, para o fato de que a grande mídia só serve aos interesses de grandes empresas e grandes indústrias que injetam muito dinheiro nestas mídias para conduzir o povo a cair nas suas armadilhas (não encontrei outro nome melhor). São estas grandes empresas e grandes indústrias que também financiam as campanhas políticas de todos os candidatos.

Então é natural entender que vai ser destes órgãos, mídia e política, onde ocorrerá as maiores sabotagens contra a fosfoetanolamina. Agora, os sequestradores da fosfoetanolamina, estes surgem de todos os lados, inclusive de onde menos se espera. Se um político é financiado por uma empresa de comércio, é natural que resulte daí apenas transações comerciais de tudo quanto é espécie. O mesmo podemos dizer das grandes mídias, tudo o que aparece na grande mídia, é panfletagem para algum grupo que paga caro ou como costumo dizer, a grande mídia é uma espécie de vitrine onde se tenta vender algum produto ou serviço.

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, supostamente é um trabalhador do povo. Ele foi escolhido pelo povo para administrar serviços que devem ser executados em prol do povo. Portanto, Geraldo Alckmin é um funcionário público, pago com o dinheiro do povo. Agora o que não se pode esperar e jamais admitir é que um funcionário do povo, sequestre os interesses deste povo para favorecer ou beneficiar entidades privadas ou a ele próprio, sua família e seus amigos.

Geraldo Alckmin, o maior sequestrador da fosfoetanolamina brasileira

A fosfoetanolamina sintetizada pelo Dr. Gilberto Chierice e sua equipe é um bem público e não um bem privado. Não foi, em solo nacional, uma empresa privada que pagou e financiou os estudos, testes e todos os outros trabalhos que culminaram para o desenvolvimento da fosfoetanolamina, quer sejam as pesquisas do Dr. Gilberto, quer sejam de outro pesquisador. Tudo ocorreu dentro das Instituições Públicas!

Mas o que faz Geraldo Alckmin? Ele sequestra um bem público e enclausura dentro de um laboratório privado. E com qual finalidade? A de obter lucro em cima de algo que, por lei, deve ser devolvido ao povo que pagou pelas pesquisas e pelo desenvolvimento da fosfoetanolamina no Brasil. Portanto, tirar a fosfoetanolamina do povo e colocá-la dentro de um laboratório privado, é sequestro, é crime.

E o que é ainda pior, querem comercializar, vender para o povo, uma cápsula cujo o encapsulamento vai ocorrer dentro de uma instituição do próprio povo, mantida com o dinheiro do povo, que é a FURP – Fundação para o Remédio Popular. Ou seja, querem fazer com que o povo pague R$ 6,00 por cada cápsula, sendo que o povo já pagou para desenvolver toda a tecnologia e infraestrutura, já pagou por toda a pesquisa e que já sabe perfeitamente que é um composto muito eficaz e que tem um custo baixíssimo de apenas R$ 0,10 cada cápsula.

O problema é grande, é grave e é muito sério. A desinformação, a manipulação da informação correta, o que por vezes acaba transformando-a em informação falsa ou em contra-informação e a falta de leitura do nosso povo, que acaba favorecendo a manipulação, a tudo isso eu chamo de midiotização. Então não é raro ver entre muitos dos defensores da fosfoetanolamina, frases do tipo:

“Eu até concordo que a fosfoetanolamina deve ser vendida, mas R$ 6,00 é um absurdo”

Esperem lá pessoal, vendida para quem? Só se for para outros países. Como pode o povo brasileiro pagar para desenvolver a fosfoetanolamina e depois querer vender para ele mesmo? Apenas a título de exemplo, deixem-me colocar um caso aqui: você dá um dinheiro a uma pessoa (Alckmin por exemplo) para ele ir na feira comprar manga para você. Quando ele chega na sua casa com a manga, ele inventa a mais estapafúrdia das histórias para tentar te revender a sua manga por um preço cem vezes mais caro. Você pagaria? Absurdo para mim é uma fala destas que andei vendo em grupos que defendem a fosfoetanolamina.

Por que usar a Tranferwise para transferir dinheiro para o exterior?

Transferwise

Transferwise: a uber dos bancos

Ninguém duvida de que somos taxados o tempo todo. Quem vive em área urbana praticamente não consegue viver sem pagar taxas. Além das taxas, pagamos também juros. Nos dias de hoje, dificilmente pagamos juros simples, normalmente somos cobrados com juros compostos, que são juros sobre juros.

Os bancos cobram as taxas e os juros mais exorbitantes

Os piores em abusar na cobrança de taxas e juros, sem dúvida alguma, são os estabelecimentos bancários. O banco suga o seu trabalho, o seu suor, a sua lágrima, a sua pele, carne e osso, até não sobrar mais nada para eles tirarem de você.

Quem nunca se deparou com notícias como esta?

Felizmente com os avanços tecnológicos novas alternativas foram surgindo, como é o cado do Paypal. Que é um sistema de pagamento online aceito no mundo inteiro e que cobram taxas e juros bem mais em conta que os bancos. Como podemos ver abaixo:

Agora vamos tomar como exemplo uma compra no valor de R$300,00. Se você fizer esta compra dentro do Brasil, usando a sua conta Paypal, na verdade você vai estar pagando cerca de R$15,00 de juros, mais R$0,60 de taxa. Se usar o cartão de crédito vai pagar bem mais.

Se a compra for internacional, o valor que você acaba pagando quase dobra. Vejamos o porquê. Vamos pegar o mesmo valor do exemplo anterior, porém com compras feitas num site no exterior. Usando o Paypal para compras internacionais, você paga R$18,00 de juros, mais R$0,80 de taxa fixa (0,20 U$). Só que na cotação da moeda, na hora que o banco converte a moeda internacional para o real, você acaba perdendo de 3% a 5% do valor (dependendo do seu banco). Assim, para cada compra de R$300,00 realizada no exterior, você perde no mínimo uns R$30,00.

IOF (Imposto sobre Operações Financeiras)

Além de taxas e juros, temos que pagar também os impostos. Para compras internacionais o valor do IOF fica em 6,38%, ou seja, para cada R$ 300,00 que uma pessoa gasta com compras em sites internacionais, além das taxas e juros, ela terá que pagar mais R$19,14 de IOF.

Resumindo: para cada R$300,00 em compras internacionais você paga em torno de R$50,00. Se você gastar R$1.500 com compras internacionais, você estará pagando R$250,00 de taxas, juros e impostos.

Como reverter essa situação?

Novamente a tecnologia pode nos ajudar. Assim como ela veio ajudando milhões de pessoas que passaram a utilizar o sistema de pagamento Paypal, onde muitos foram evitando as explorações dos bancos e com isso passaram a pagar taxas e juros mais baratos, agora já existe no mercado uma tecnologia que vem revolucionando a forma de fazer transferências internacionais: Transferwise.

E se eu fizer a mesma compra de R$300,00 usando o sistema Transferwise, quanto economizarei?

A Transferwise cobra de você apenas uma única taxa de 2% (para envios acima de R$ 500,00 e R$ 10,00 para envios abaixo de R$ 500,00) e faz a conversão do seu dinheiro na melhor cotação de mercado.

Então se você fizer uma transferência internacional utilizando os serviços da Transferwise, no valor de R$300,00, você só paga a taxa mínima que é R$10,00.

Você economiza cerca de R$40,00 em relação ao Paypal (e economiza ainda mais em relação ao seu banco).

Lembra do nosso exemplo anterior onde uma transferência de R$1500,00 você acabava pagando R$250,00 de taxas? Com a Transferwise, você paga apenas R$29.41. Uma economia de mais de R$220,00.

Então, é ou não é um bom negócio usar a Transferwise? Clique aqui e aproveite a promoção para o exterior sem pagar taxa alguma. Aproveite enquanto esta promoção dure.